23 de fevereiro de 2018

O Filme de TOMB RAIDER vai fazer sucesso?

Escrito por: Miguel Marques
To read this article in English please scroll down and use the Google Translator tool in the bottom of our site.

Sejam bem-vindos ao novo artigo de opinião do LARA CROFT PT! Voltámos firmes, fortes, e com novidades. Estamos nos momentos finais da nossa espera pela estreia de Tomb Raider nos cinemas e chegou a hora de por todas as cartas na mesa: Será que o filme vai fazer sucesso? Neste artigo quisemos tentar algo novo. Além de termos uma nova arte, feita especialmente para ilustrar este texto, vamos também contar, pela primeira vez, com a opinião de alguns fãs. É a nossa forma de tornar os artigos mais interativos e completos. Digam-nos o que acharam!


O MARKETING

Todos sabem que uma das coisas que mais influencia o sucesso financeiro de um filme – ou de qualquer outra coisa – é o marketing. A divulgação inicial de Tomb Raider foi modesta, com poucas imagens, posters, notícias, e com um trailer mediano. À medida que março se tem aproximado, temos assistido a uma melhoria significativa neste quesito.

As redes sociais têm sido entupidas com mensagens de vídeo dos atores, teasers, TV spots, clips, entrevistas, lives, vídeos promocionais, etc. Muitos deles com cenas inéditas, o que empolga bastante o público. Além disso temos também vídeo-aulas periódicas com o treinador Magnus Method, com alguns exercícios que fez com a Alicia. Há também, todas as terças feiras, uma curiosidade, desafio ou passatempo relacionado ao filme.
Foram desenvolvidos três jogos temáticos que, apesar de não serem extremamente complexos, desafiadores ou oferecerem um longo entretenimento, são sempre bons para por as pessoas a falar sobre o filme. Há o jogo “Escape the Tomb”, no Snapchat, que, inclusive, desbloqueia um filtro exclusivo do filme para a aplicação; há a experiência de realidade virtual para o Oculus VR; e há um tradicional jogo Arcade baseado no reboot de 2013, mas feito para promover o filme. Há ainda o “Escape Room”, que consiste numa sala onde alguns fãs são fechados e, dentro de um tempo estipulado, têm de conseguir sair, resolvendo vários puzzles.
O Croft Camp foi um evento exclusivo, onde o treinador Magnus Method esteve presente e falou da dieta e exercícios pelos quais Alicia Vikander passou para conseguir um corpo digno da Lara Croft. Não só isso, os exercícios foram postos em prática com os convidados, o que gerou vários vídeos e imagens.

O filme ainda não estreou e já temos também algum merchandising, nomeadamente uma Barbie da linha Signature. Claro, há também pósteres, t-shirts, etc.
Eu diria que o Marketing começou bastante fraco, mas agora está ótimo, especialmente no oriente. Não sei se tiveram a oportunidade de reparar, mas o estúdio está a apostar fortemente na China, e é bem provável que tenham sucesso por lá, até porque têm um ator asiático no filme, o Daniel Wu, que interpreta a personagem Lu Ren; e a própria Lara visita Hong Kong no início da aventura. A seguir aos Estados Unidos, a bilheteira chinesa é a mais importante.
A LARA CROFT
Este pode ser o grande forte do filme. A grande maioria das adaptações de jogos para filmes são de franquias não tão conhecidas fora da comunidade gamer. A Lara Croft já tem um vasto império na cultura POP. Todos sabem quem ela é, muito graças aos filmes da Angelina Jolie no início dos anos 2000.

Este novo retrato da heroína pode ser um marco importante na representação de personagens femininas em filmes, especialmente agora com o aumento significativo das mesmas. As comparações com Mulher-Maravilha, o último grande filme de empoderamento feminino, serão inevitáveis, o que pode ajudar muito. Ao contrário de Diana, a Lara Croft não tem superpoderes. Como sabemos, a Lara do reboot não é experiente, intocável nem perfeita. O filme parece estar a focar bastante nisso, com várias quedas e obstáculos no meio da aventura. E a Alicia parece estar a interpretar a personagem de forma perfeita, o que vai fazer da Lara uma personagem fácil para as pessoas se identificarem. Não é uma personagem feminina retratada como superior a todos os seres existentes na Terra, entendem? É humana e, ainda assim, badass.
A aparência física de Alicia Vikander, fator tão criticado por alguns, pode acabar por ser um grande trunfo. Uma personagem feminina despenteada, ferida, com roupas comuns, sem peito, sem traseiro. Um grande contraste com a Lara que o grande público conhecia – a Angelina Jolie. Isto pode ser visto como progresso em Hollywood, o facto de não recorrerem à beleza da atriz para recriar a Lara Croft, algo que seria muito fácil e até óbvio de se fazer.

A CONCORRÊNCIA

Nem todos podem ir ao cinema todas as semanas, nem todos podem todos os meses e alguns, de facto, vão poucas vezes por ano. É importante que se analise os filmes que estreiam perto de Tomb Raider, porque muitas vezes o que salva a bilheteira é a falta de concorrência na época. Temos filmes com protagonistas femininas, filmes que saem no mesmo dia, filmes da Disney, filmes sobre videojogos, filmes de ação, etc. Sim, talvez nos devêssemos preocupar um pouco. Vejamos…
Black Panther
Este filme já estreou e é o único dos que vamos referir que não é de março. Pode, por isso mesmo, não ser uma ameaça tão grande, mas é um filme da Marvel que pode facilmente ofuscar Tomb Raider para aqueles que vão ao cinema poucas vezes por ano.
Conheça a história de T'Challa, príncipe do reino de Wakanda, que perde o seu pai e viaja para os Estados Unidos, onde tem contato com os Vingadores. Entre as suas habilidades estão a velocidade, inteligência e os sentidos apurados.
Data de lançamento: 15 de fevereiro de 2018
Direção: Ryan Coogler
Música composta por: Ludwig Göransson
Produção: Kevin Feige, David J. Grant
Roteiro: Ryan Coogler, Jack Kirby, Joe Robert Cole
Elenco: Chadwick Boseman, Michael B. Jordan, Lupita Nyong'o, Danai Gurira, Daniel Kaluuya



Red Sparrow
O primeiro filme de março já conta com uma mulher no papel principal e em várias cenas de ação. Trata-se de um filme sobre espiões e conta com Jennifer Lawrence como protagonista.
Outrora talentosa bailarina, Dominika Egorova (Jennifer Lawrence) encontra-se em maus bocados quando é convencida a se tornar uma Sparrow, ou seja, uma sedudora treinada na melhor escola de espionagem russa. Após passar pelo árduo processo de aprendizagem, ela se torna a mais talentosa espiã do país e precisa lidar com o agente da CIA Nathaniel Nash (Joel Edgerton). Os dois, no entanto, acabam desenvolvendo uma paixão proibida que ameaça não só suas vidas, mas também as de outras pessoas.
Data de lançamento: 1 de março de 2018
Direção: Francis Lawrence
Adaptação de: Roleta Russa
Música composta por: James Newton Howard
Produtoras: 20th Century Fox, Chernin Entertainment
Elenco: Jennifer Lawrence, Joel Edgerton, Matthias Schoenaerts


A Wrinkle in Time
O novo live action da Disney, além de ter um elenco forte e com personagens centrais femininas, apresenta um mundo fantasioso e rico, também com algumas cenas de ação.
Os irmãos Meg (Storm Reid) e Charles (Deric McCabe) decidem reencontrar o pai, um cientista que trabalha para o governo e está desaparecido desde que se envolveu em um misterioso projeto. Eles contarão com a ajuda do colega Calvin (Levi Miller) e de três excêntricas mulheres em uma ousada jornada por diferentes lugares do universo.
Data de lançamento: 8 de março de 2018
Direção: Ava DuVernay
Orçamento: 103 milhões USD
Música composta por: Ramin Djawadi, Jonny Greenwood
Produção: James Whitaker, Catherine Hand
Elenco: Oprah Winfrey, Chris Pine, Storm Reid, Levi Miller



Love, Simon
Dos produtores de “A Culpa é das Estrelas”, este filme tem um género completamente diferente de Tomb Raider, mas pode ainda tornar-se numa grande ameaça, por estrear no mesmo dia, e caso se torne uma febre como aconteceu com outros filmes semelhantes.
Aos 17 anos, Simon Spier (Nick Robinson) aparentemente leva uma vida comum, mas sofre por esconder um grande segredo: não revelou ser gay para sua família e amigos. E tudo fica mais complicado quando ele se apaixona por um dos colegas de classe, anônimo, na internet.
Data de lançamento: 16 de março de 2018
Direção: Greg Berlanti
Música composta por: Rob Simonsen
Distribuído por: 20th Century Fox
Roteiro: Isaac Aptaker, Elizabeth Berger
Produção: Wyck Godfrey, Marty Bowen, Pouya Shabazian, Isaac Klausner
Elenco: Nick Robinson, Katherine Langford, Miles Heizer, Keiynan Lonsdale


Ready Player One
Com a direção de Steven Spielberg, este filme aborda o tema dos videojogos, misturando vários universos e fazendo referência a várias personagens (inclusive à nossa Lara Croft).
Num futuro distópico, em 2044, Wade Watts (Tye Sheridan), como o resto da humanidade, prefere a realidade virtual do jogo OASIS ao mundo real. Quando o criador do jogo, o excêntrico James Halliday (Mark Rylance) morre, os jogadores devem descobrir a chave de um quebra-cabeça diabólico para conquistar sua fortuna inestimável. Para vencer, porém, Watts terá de abandonar a existência virtual e ceder a uma vida de amor e realidade da qual sempre tentou fugir.
Data de lançamento: 29 de março de 2018
Direção: Steven Spielberg
Adaptação de: Jogador Nº 1
Música composta por: John Williams, Alan Silvestri
Produtoras: Warner Bros. Entertainment, Amblin Entertainment, Amblin Partners, Village Roadshow Pictures
Elenco: Olivia Cooke, Tye Sheridan, Ben Mendelsohn, Simon Pegg, T. J. Miller



Numa análise geral, só “Love, Simon” estreia na mesma semana de Tomb Raider, e é o filme com o género mais diferente. Ainda assim, são vários filmes grandes para o mês de março. O cenário não é dos piores, mas também não é dos melhores.

A QUALIDADE

O outro fator que mais pode influenciar o sucesso financeiro de um filme: ser, de facto, bom. Tomb Raider tem tudo para quebrar a maldição dos filmes baseados em videojogos, mas também tem tudo para honrá-la.

A história, apesar de ser baseada nos dois últimos jogos, foi reescrita e adaptada, como se pretende nestes live actions. Muitas pessoas temem que a narrativa não seja tão boa, já que – a julgar pelos trailers – a história parece ter alguns clichés, como o «Se estás a ouvir isto eu devo estar morto» ou o «Se a Trindade tiver sucesso o mundo corre perigo», mas nada que uma boa execução não possa resolver. Alguns fãs não estão satisfeitos por, mais uma vez, a Lara ir numa aventura 100% motivada pelo seu pai. Sim, tornou-se algo repetitivo e chato para nós, fãs, mas, se virem bem, é suposto esta ser a primeira aventura de sempre da Lara Croft. Não houve filmes com a Angelina sobre o pai, não houve trilogia da Crystal sobre a mãe e não houve reboot nos jogos sobre o pai. Temos de julgar este filme como uma obra individual.
O CGI teve uma melhoria surpreendente ao longo dos trailers e teasers. Algumas cenas estão completamente diferentes se comparadas com a sua primeira aparição, e os efeitos atingiram um nível bastante razoável, estão até muito bons, eu diria. A ação nestes filmes depende muito dos efeitos especiais, e um filme de ação tem de ter boas cenas de ação. Portanto o CGI é, sim, muito importante. Por falar em cenas de ação, elas estão impecáveis. E têm o seu toque Tomb Raider. Fugas de tumbas a desmoronarem-se, quedas de água, murros, pontapés, armas, explosões, a Lara a ser atirada para tudo o que é canto, etc. Parecem ter feito um bom trabalho em mostrar-nos o quão perigosa é a ilha, e ainda conseguem divertir-nos enquanto o fazem.

As personagens são menos e, esperemos nós, melhor trabalhadas. É claro, o foco será na Lara, no seu pai, e no vilão, e os três parecem estar muito bem. Vamos ter também, no início do filme, uma noção melhor de quem é a Lara Croft, vamos conhecer melhor a sua vida antes do naufrágio, algo que não pudemos ver no jogo. Teremos flashbacks com a Lara criança e adolescente, o que pode fazer com que os fãs finalmente se comecem a importar com Richard, já que nunca o conhecemos muito bem nos jogos. Isto se o pai não estiver vivo na ilha, onde – se for o caso – vamos poder ver ainda mais da sua relação com a Lara.
É claro, não podemos falar da qualidade do filme sem o termos visto, tudo o que podemos fazer são suposições. Acredito que as críticas ao filme vão ter um impacto gigantesco no seu sucesso. De facto, acho que esse será o fator decisivo. Se as críticas forem boas, as pessoas ficarão mais interessadas em ir aos cinemas.

--
E vocês, o que acham? Comentem as vossas previsões! Compartilhem o artigo, se puderem! Todos queremos muito que o filme seja um sucesso para que façam uma sequência e, quem sabe, um dia teremos todo um universo cinematográfico de Tomb Raider. E, gente, acreditem em mim: TUDO pode fazer este filme ser mau, menos a Alicia Vikander. Ela é das melhores versões da Lara já feitas, e isto posso dizer sem precisar de ver o filme. Então, nada de comentários do género «Mas essa atriz não parece a Lara, não ficou boa no papel», por favor.

Fiquem atentos ao LARA CROFT PT e a todas as nossas redes sociais! Têm saído muitas novidades nos últimos tempos e nós não queremos que vocês percam nada! Muito em breve teremos também uma nova arte em comemoração aos 50 anos da Lara Croft e um sorteio exclusivo. Não percam!


Sem comentários:

Publicar um comentário

Translate

FANSITE OFICIAL!

FANSITE OFICIAL!